Eu não tenho tempo

Eu não tenho tempo
O tempo que tem a mim
E se for perguntar ao tempo
o que ele pensa de mim
Dirá que não dei valor
ao nosso relacionamento
e que está perto do fim.
Que não ouvi a voz do vento
quando ele soprava folhas
sob os meus pés
Antes de arrastar ao céu
as chuvas que caem de mim.

Eu não tenho tempo
O tempo faz o que quer de mim
Ora repousa sobre o meu peito
Ora desaba sobre os meus ombros
Como um velho amigo desolado
Faz com que eu sinta saudade
quando ainda de tão pouca idade
não me salva uma espera:
que meu gênio melhore;
que o sorriso desamarele
que os sapatos afrouxem
ou que respire um compasso.
É isso que o tempo me diz?
que eu viva num metrônomo
que seja econômico como o silêncio
que é quem dita o swing?
Ou que a vida é assim, meio noise
como uma canção sem refrãos
que se desconhece o fim?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *